NYC

Essa semana estava lendo um artigo de uma jornalista brasileira que mora há muitos anos em NY. Apesar de amar o país e não querer voltar para o Brasil, ela aborda alguns aspectos importantes que muitas pessoas não consideram quando resolvem sair do país.
Ultimamente muitos amigos têm me procurado para saber sobre questões imigratórias, melhores cidades para morar, preços de imóveis nos EUA e por aí vai….O que eles não me perguntam é sobre as dificuldades que os brasileiros enfrentam quando resolvem deixar tudo pra trás.
Vocês sabem que eu tenho minha opinião formada sobre o Brasil e que minhas queixas são inúmeras. Acho uma sacanagem pagarmos tantos impostos, termos tantas riquezas e ainda sermos tão subdesenvolvidos. Em todos os sentidos. E talvez por isso mesmo eu não saia por aí encorajando as pessoas a mudarem definitivamente. Pelo menos não antes de explicar algumas coisas.

 

  • O primeiro choque é de cultura! Ainda que você se ache a pessoa mais descolada do mundo, talvez estranhe alguns conceitos de liberdade e normalidade na criação de crianças e adolescentes. Na teoria tudo é lindo. Na prática pode ser um pouco diferente..
  • O tal do jeitinho brasileiro pode até funcionar no Brasil, mas em países como EUA, por exemplo, não há malabarismos ou maladragem que te  ajude a resolver alguma situação ou problema. As leis existem para serem cumpridas (e realmente são), por todos e sem distinção de classe social.
  •  Esqueça a ideia de ter empregados à sua disposição, especialmente na Europa onde os serviços são bastante caros e privilégios de poucos. Na maioria dos países desenvolvidos, as pessoas cuidam das próprias casas e acumulam múltiplas tarefas. Se você está acostumado a ter “tudo à mão”, melhor aceitar a ideia de “colocar” ela na “massa”.
  • Se você não fala pelo menos o inglês, suas dificuldades podem ser ainda maiores. Isso porque, ainda que esteja cercado de brasileiros, tudo ao redor estará num idioma diferente e ele precisa ser absorvido de forma completa para lidar com situações cotidianas. Imagine quem resolve morar na Alemanha ou Japão…
  • Fazer novos amigos lá fora não é tão simples como no Brasil. Americanos, asiáticos e europeus são muito mais “frios” e fechados do que nós, e isso certamente irá dificultar o processo de socialização e adaptação. Se você valoriza muito esse calor humano e poucas regras de etiqueta, vai estranhar não saber o nome do seu vizinho mesmo depois de anos cruzando com ele na rua.
  • A mudança brusca de clima é outro fato que precisa ser considerado. Frio pode ser muito bom uma vez por ano e neve é ótima quando estamos esquiando. Tente encarar um inverno pesado por longos meses ou se acostumar em ver o sol brilhando num céu azul poucas vezes no ano. Falta de vitamina D pode ser causa de problemas de saúde físicos e psíquicos. Já pensou nisso?
  • A saudade dos pais, dos irmãos, amigos e até mesmo da comida pode te deixar doente também. Em países onde reina a praticidade, comida feita em casa é sempre congelada e muito diferente dos nossos temperos e sabores. Já se você é do tipo que não passa um domingo sem estar reunido com a família, melhor rever seus planos de mudança. Conheço muitas pessoas que não veem seus parentes há anos e sofrem muito por conta disso. Eu, particularmente, não conseguiria ficar anos longe de minha familia, razão pela qual estou sempre no Brasil.

Apesar de todos os perrengues que os brasileiros enfrentam ou enfrentaram num país diferente, o curioso é que a maioria não pensa em voltar a morar no Brasil. Isso porque a lista de benefícios, obviamente, supera as dificuldades enfrentadas, mas que não podem ser desconsideradas. Tudo é questão de adaptação. E você? Iria?